Não categorizado

Falta de componentes e paralisações atingem mercado de motos

motos

A falta de componentes e a crise sanitária da Covid-19 afetaram, também, o mercado das motocicletas no Brasil. Por exemplo, há registros de atrasos na entrega de motos compradas superiores a 100 dias.

Além disso, as paralisações nas fábricas são fatores para os atrasos. Por exemplo, a Honda interrompeu atividades em janeiro de 2021. Enquanto isso, em maio deste ano, a Yamaha voltou a parar. Sem contar as férias coletivas em fábricas durante os meses de junho e julho. Na maioria dos casos, devido à falta de componentes.

Motos compradas chegam a atrasar mais de 100 dias. Foto: Zoom

Atrasos para receber as motos

Por exemplo, alguns modelos de motos das linhas Honda Biz e Pop podem demorar até quatro meses para chegar ao comprador. De acordo com informações do jornal O Estado de São Paulo, há casos que tais modelos levam de 90 a 120 dias para chegarem.

Além disso, compradores de scooters da Yamaha – em especial, da NMax 160 e XMax 250 – podem ter de esperar 60 dias para receberem as motos. Enquanto isso, os modelos Yamaha Fazer 150 e Factor 150, o prazo pode ser de até 40 dias.

Destaque também para a motocicleta mais vendida no Brasil em 2021, a Honda CG. Neste caso, até 90 dias para receber.

motos
Yamaha Factor 150 (Foto: Divulgação)

Honda CG 160 Cargo: prazo de 20 dias, em média

Por outro lado, mesmo com este cenário, conforme a agência Automotive Bussines, a Honda CG 160 Cargo não vem passando por estas longas filas de espera. Assim, o tempo estimado é de cerca de 20 dias.

Vale ressaltar que a agência a Automotive Business apurou estes dados por meio de uma pesquisa em concessionárias da Honda e da Yamaha no estado de São Paulo.

motos
Mesmo com cenário de atrasos, mercado das motos cresce em 2021. Foto: Finances

Leia também: vendas de motos cresce consideravelmente em 2021!

Motocicletas: mercado em alta em 2021

No entanto, mesmo com os atrasos de entrega, o crescimento do mercado das motos no Brasil em 2021 não pode ser desconsiderado. Por exemplo, de acordo com a Fenabrave, foram emplacadas mais de 410 mil motos de janeiro a maio de 2021. Neste caso, um crescimento de cerca de 35% em relação ao mesmo período do ano anterior.

 

 

 

 

Com informações do jornal OESP e agência Automotive Business 

Erica Franco

Erica FrancoJornalista por formação, com mais de 15 anos de experiência em redação em geral. Passagens pelo caderno Máquina e Moto Máquina do jornal Agora São Paulo, Folha online, Jovem Pan, Uol, Mil Milhas, Revista e site Consumidor Moderno, Portal No Varejo, entre outros.

O post Falta de componentes e paralisações atingem mercado de motos apareceu primeiro em GARAGEM 360.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Vamos conversar?