Não categorizado

Fiat Pulse: valeu a pena toda essa espera?

O ano de 2021 foi cheio de surpresas no mercado automotivo brasileiro: a crise dos semicondutores derrubou o Chevrolet Onix de sua antiga liderança, e a Fiat abocanhou o topo do ranking de vendas. O fabricante italiano quer manter os bons resultados e até ampliar a liderança com o SUV compacto Pulse.

Sim, o Fiat Pulse, que foi revelado no Big Brother Brasil, teve o nome escolhido pelo público e todos os detalhes antecipados em teasers, está finalmente sendo lançado. E esse SUV será a vitrine do que podemos esperar da Fiat para os próximos anos.

VEJA TAMBÉM:

Versões e preços

  • Drive 1.3 manual – R$ 79.990
  • Drive 1.3 CVT – R$ 89.990
  • Drive TF200 CVT – R$ 98.990
  • Audace TF200 CVT – R$ 107.990
  • Impetus TF200 CVT – R$ 115.900

Projeto 100% nacional

Segundo a Fiat, esse é o lançamento mais importante da marca dos últimos 10 anos. O Pulse tem a missão de subir o nível da marca, tirando a imagem de fabricante de carros que atraem apenas pelo preço.

O Fiat Pulse estreia uma nova plataforma modular, o motor 1.0 GSE Turbo, o cambio CVT e novas tecnologias de conectividade. Tudo isso foi fruto de um projeto feito pela equipe brasileira em Betim (MG).

Plataforma MLA

Apesar de compartilhar algumas peças de estamparia e vidros com o hatchback Argo, o Pulse é considerado um carro à parte, feito em uma nova plataforma. A arquitetura MLA é modular e permite variar o tamanho de entre-eixos, balanços e bitolas.

Junto da plataforma vieram novos componentes: suspensão, direção, freios, estrutura de bancos, sistema de arrefecimento e até a caixa do ar condicionado. Todos esses itens serão usados pelos futuros lançamentos da Stellantis.

Sobre o Fiat Pulse

Enquanto o Volkswagen Nivus, seu rival direto, adota um estilo mais esportivo e urbano, o Pulse foi para uma pegada mais aventureira. A dianteira é vertical e traz um capô bastante alto. Nos parachoques existem apliques prateados que simulam as skid-plates de jipes modificados. As molduras plásticas nas caixas de rodas são grandes, evocando a linha Adventure.

Existe a opção de pintura bicolor, que faz um corte diagonal na coluna C similar ao visto no Renault Captur. No assunto de cores, existem duas novas: o Azul Amalfi e o Cinza Strato. Na versão topo de linha Impetus, as rodas de 17 polegadas são diamantadas.

Os faróis principais e os de neblina são de LED. Acima dos faróis há uma barra horizontal cromada, que marca o desenho do carro. Na traseira, as lanternas também são em LED e trazem um interessante efeito flutuante.

Interior acerta no estilo, mas não nos materiais

Por dentro, ele traz um estilo mais sofisticado que o encontrado no Argo e lembra o novo Jeep Compass. O painel traz uma faixa horizontal, as saídas de ventilação são retangulares e um conjunto de botões cuida das principais funções do som e do ar-condicionado. Os painéis de porta trazem uma textura tridimensional.

Apesar do estilo moderno, o acabamento usa apenas plástico duro, sem nenhum aplique de tecido nas portas. Os bancos são forrados em couro sintético no Pulse Impetus, versões mais simples usam tecido do tipo malharia. O novo volante multifuncional tem uma boa pega e traz em destaque o botão do modo Sport.

A Fiat se orgulha de ter colocado 18 porta-objetos espalhados pelo interior do SUV. Em um deles, localizado no painel, traz o carregamento por indução. O Pulse conta com duas entradas USB no painel, sendo uma delas do tipo C. Para os passageiros do banco traseiro existe apenas uma entrada USB comum.

Pulse estreia novas tecnologias

fiat pulse drive turbo cvt 021 large

O painel digital da Toro está presente apenas no Pulse Impetus, trazendo um modo minimalista, um econômetro ou um mais esportivo com conta-giros. Andamos também em uma unidade do Pulse Audace, que trazia o painel analógico do Argo com tela de 3,5 polegadas.

Existem duas opções de central multimídia: a de 10,1 polegadas que vem de série apenas no Impetus e a menor de 8,4 polegadas. Comum em ambas são funções como a conectividade 4G, comandos do ar condicionado, Android Auto e Apple Car Play sem fios e o Fiat Connect Me. As centrais podem receber atualizações remotamente.

Todo Pulse já sai da fábrica com uma tag Connect Car, para pedágios, estacionamentos e drive-thru. Uma novidade que deve se estender para o resto da linha é o Cart, um serviço que permite usar o carro para realizar pagamentos. O motorista pode checar também multas e até realizar pedidos no McDonald’s pela central.

Segurança mescla acertos e erros

A Fiat se orgulha de todas as versões do Pulse oferecerem o pacote completo de segurança, que inclui a frenagem autônoma de emergência, controles de tração e estabilidade, quatro airbags, farol alto automático e aviso de mudança de faixa. Os airbags laterais protegem o tórax e a cabeça, mas a Fiat peca em não oferecer airbags laterais na traseira e de cortina.

Na dianteira existem sensores de estacionamento, e na traseira, a câmera de ré tem alta resolução. São itens bem-vindos, pois o vigia traseiro é pequeno e permite pouca visibilidade. O capô alto também toma o campo de visão e pode esconder uma criança ou um animal.

Espaço interno poderia ser melhor

O entre-eixos de 2,53 é menor que o dos rivais, e a Fiat usou alguns truques para o Pulse parecer mais espaçoso nas fotos. O banco traseiro tem assento curto e o encosto é bastante vertical, lembrando o de uma picape média mais antiga. A falta de apoio para as penas vai cansar os passageiros rapidamente em viagens.

O porta-malas tem volume de 370 litros e traz ganchos de amarração e pata sacolas. A abertura da tampa é pequena e, somada à altura do carro, dificulta na hora de carregar o bagageiro.

Ao volante do Fiat Pulse

O motor 1.0 turbo de três cilindros traz todas as tecnologias que vimos no 1.3 turbo da Toro. A potência é de 130 cv com álcool e 125 cv com gasolina, enquanto o torque é sempre de 20,4 kgfm a 1.750 rpm. Esse motor se mostrou esperto para empurrar o suvinho nacional: o turbo enche rápido e não é sentido qualquer tipo de lag. A Fiat finalmente adotou uma programação mais gradual ao acelerador, tirando aquele comportamento típico da marca de abrir muito a borboleta na primeira metade do curso do pedal.

O cambio CVT está bem casado ao motor. No modo automático ele faz uma leve simulação de marca para o motor não ficar em uma rotação fixa, o que causa estranheza para motoristas que não estão acostumados com esse tipo de câmbio. Mas ainda existe uma pequena demora para a caixa responder ao acelerador, típica dos CVT.

Com o modo sport acionado, muda-se o peso da direção, o mapa do acelerador e o câmbio, que passa a operar com sete marchas fixas. As reações se tornam mais espertas e a direção fica com um peso que deveria ser usado no modo comum, em velocidades de rodovia.

fiat pulse 13 mt 004 large

Em curvas o Pulse surpreende pela estabilidade: ele é carro com vão livre de 22,4 cm, mas rola pouco a carroceria. As rodas de 17 polegadas calçadas com pneus 205/50 R17 seguram bem o carro no asfalto. Não é um esportivo, mas transmite segurança.

Essa firmeza fica apenas em curvas, pois a engenharia brasileira soube acertar o carro para filtrar bem as irregularidades na pista. Os pneus de perfil baixo exigem cuidado nessa situação; as versões mais simples com rodas menores deverão ser mais confortáveis.

Na cidade, a direção elétrica é bastante leve e torna as manobras fáceis. O entre-eixos curto, que atrapalha no espaço interno, ajuda em locais apertados: o diâmetro de giro é de 10,5 metros.

Fora do asfalto

A inspiração na linha Adventure não ficou apenas nos apliques de plástico no exterior, já que o Fiat Pulse tem capacidade para enfrentar trilhas leves. Isso, graças à eletrônica: o controle de tração TC+ traz um modo off-road, que simula um bloqueio de diferencial em velocidades baixas e aciona o modo off-road do ABS.

fiat pulse painel de instrumentos digital com tela de 7 polegadas
O painel digital com tela de 7 polegadas é personalizável

Na pista feita pela Fiat no evento de lançamento, colocamos o Pulse em situações nas quais uma das rodas dianteiras perdia todo o contado com o solo. Ao acionar o botão do TC+, o sistema freava a roda sem tração e tirava o carro da enrascada. O sistema também ajudou o carro a subir em rampas de terra solta.

Esse sistema, o vão livre e os bons ângulos de ataque e saída colocam o Pulse acima da média da categoria no fora de estrada. Não chega a ser um Suzuki Jimny em termos de valentia, mas é o suficiente para chegar a uma cachoeira ou a uma praia isolada.

Fotos: Fiat | Divulgação

O post Fiat Pulse: valeu a pena toda essa espera? apareceu primeiro em AutoPapo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Vamos conversar?