Não categorizado

Veja como anda o Renault Duster 1.3 turbo 4WD (que o Brasil não terá)

O Renault Duster começou a ser feito no Brasil apenas dois anos após seu lançamento na Europa, onde leva a marca romena Dacia. O SUV compacto chegou alinhado com a Europa na oferta de motorização e tração, faltando apenas a opção 1.5 diesel.

A versão 4WD da antiga geração trazia valentia no fora de estrada e foi bem aceita em frotas de empresas que precisam de carros para rodar longe do asfalto, como mineradoras. A segunda safra chegou ao Brasil em 2020 com uma linha mais enxuta, trazendo apenas o motor 1.6 aspirado e tração dianteira.

VEJA TAMBÉM:

Mais opções de Duster nos países vizinhos

O Duster 1.3 turbo pode vir com tração integral
A tração integral pode ser bloqueada em 50% para cada eixo e usa os freios para simular um diferencial blocante

Enquanto isso, nossos vizinhos da Argentina passaram a receber o Duster de segunda geração fabricado na Colômbia. O modelo colombiano tem um grau de localização menor que o brasileiro, por isso é mais próximo do modelo europeu e compartilha muito com ele.

O novo Duster já chegou para os nossos hermanos com o novo motor 1.3 turbo, que fez sua estreia na linha brasileira da Renault com o Captur, no início de julho desse ano. Na Argentina, o motor turbo traz acerto diferente, produzindo 155 cv e 25,5 kgfm. Ele é oferecido com o cambio CVT ou com cambio manual, junto da tração integral.

O motor 1.3 já está cotado para o Duster brasileiro, mas não espere a versão 4WD. Essa tração integral da Renault só é usada em carros com cambio manual no mundo inteiro, e esse tipo de caixa está perdendo espaço no Brasil.

Boa aptidão no fora de estrada

Versão 4WD vem apenas com cambio manual
A tração oferece modo 4×2 para o uso no asfalto e redução de consumo

O sistema de tração integral é similar ao da primeira geração, trazendo um modo 4×2 para economia de combustível e um botão que bloqueia a distribuição de força em 50% para cada eixo. A caixa manual traz uma primeira marcha com relação bastante reduzida, fazendo da segunda marcha a ideal para arrancar no uso civilizado.

A nova geração do Duster conta também com controle para descidas (HDC) e assistente de partida em rampas para auxiliar nas trilhas. Na central multimídia também existem funções para auxiliar o motorista fora do asfalto, como os inclinômetro, bússola e monitor do HDC.

Em avaliações feitas por canais argentinos, o novo Duster 4WD se saiu bem no fora de estrada. Com a tração bloqueada, o sistema eletrônico que simula um diferencial de deslizamento limitado detecta rapidamente as rodas sem tração e tira o carro de enrascadas.

Não chega a estar no nível de um 4×4 tradicional, com caixa de transferência e bloqueios mecânicos, mas é acima da média das trações integrais que vemos em outros carros com motor transversal. Essa versão poderia agradar ao público que precisa de um fora de estrada mais civilizado que um Suzuki Jimny, mas não tem condições de partir para um Jeep Renegade Trailhawk ou um Chevrolet Trailblazer.

Os pontos negativos do Duster 4WD

Mesmo com motor 1.3 turbo mais potente e peso de 1.420 kg, o Duster ainda conta com freios a tambor na traseira. Outra falha de segurança no Duster é a presença de apenas dois airbags. Os airbags laterais e de cortina não fizeram a travessia do Atlântico. Já os airbags laterais traseiros e de joelho não são disponíveis nem na Europa.

A versão 4WD do Duster é a topo de linha na Argentina e não traz bancos de couro ou teto solar, itens disponíveis nos concorrentes. O acabamento também foi criticado perante os concorrentes: o projeto criado para ser acessível na Europa precisa de melhorias para o posicionamento que ganhou na América Latina.

A Oroch também traz tração integral no exterior

Projetada e fabricada no Brasil, a Oroch oferece tração integral apenas fora do país
Essa versão traz a valentia do Duster 4WD com a praticidade da caçamba

A picape Oroch, derivada do Duster, é um projeto da filial brasileira. Ela inaugurou o segmento de picapes médio-compactas derivadas de SUVs, mas foi ofuscada no mercado meses depois com a chegada da Fiat Toro.

Muitos questionaram por que a picape foi lançada apenas com tração dianteira, enquanto o Duster oferecia a versão 4WD. Essa versão foi lançada em 2018, mas apenas para exportação. O primeiro mercado a recebê-la foi o argentino.

Para agravar a situação, a Oroch passou a ser feita na Colômbia nessa versão 4WD, chegando a mais mercados. Enquanto isso, a Fiat Toro faz sucesso e um de seus argumentos de venda é a tração integral dos modelos a diesel.

A picape será renovada em 2022, ganhando estilo e interior mais alinhados com a nova geração do Duster. Na mecânica o destaque ficará para a adoção do novo motor 1.3 turbo, acompanhado da caixa CVT.

Fotos: Renault | Divulgação

O post Veja como anda o Renault Duster 1.3 turbo 4WD (que o Brasil não terá) apareceu primeiro em AutoPapo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Vamos conversar?