Não categorizado

Fórmula 1 pode usar hidrogênio como combustível no futuro

Como tudo que envolve a indústria automobilística está trilhando o caminho para a sustentabilidade e, claro, a Fórmula 1. A categoria se comprometeu a se tornar completamente neutra em carbono até 2030, então diversas ideia estão sendo estudadas. Mas quem imaginou um carro de F1 elétrico, pode esquecer. A alternativa seria o hidrogênio.

“Talvez o hidrogênio seja o caminho que a Fórmula 1 pode ter, onde mantemos o ruído, mantemos a emoção, mas avançamos para uma solução diferente”, disse o diretor de esportes motorizados da F1, Ross Brawn, à BBC.

VEJA TAMBÉM:

“Temos uma corrida de uma hora e meia, temos 1.000 carros de potência, somos o auge do automobilismo. Você não pode obter essa explosão sem combustíveis fósseis”, acrescenta Brawn.

Ele ressalta que os motores turbo híbridos de alta tecnologia usados ​​para mover carros de Fórmula 1 desde 2014 estão entre os mais eficientes já projetados em termos de porcentagem de energia do combustível que é convertida em energia – uma medida conhecida como eficiência térmica.

Combustíveis sintéticos

Hoje, a Fórmula 1 trabalha no desenvolvimento de combustíveis sintéticos que usam carbono capturado do ar, resíduos agrícolas ou biomassa. As regras da  categoria já exigem que a gasolina usada pelas equipes contenha pelo menos 10% de biocombustível e essa proporção tende a aumentar.

Para Brawn, o esporte sempre será sobre velocidade e aceleração em corridas de 90 minutos e não acha que os veículos elétricos serão capazes de entregar o desempenho que exige por décadas –  ou nunca.

“Não queremos os pilotos olhando para os modos de conservação de energia e tentando fazer a bateria durar o suficiente para chegar ao final da corrida ou economizando a bateria para que nas últimas cinco voltas eles possam realmente ir em frente. Isso não parece envolver os fãs”, disse o Brawn.

Zak Brown, executivo-chefe da equipe McLaren, confirmou que “há muitas conversas acontecendo agora na Fórmula 1” sobre sustentabilidade, mas, como a Brawn, ele acredita que carros capazes de 150 km/h ou mais são uma parte essencial do esporte.

“O desafio que temos é ter certeza de que é seguro e pode produzir a quantidade de energia necessária para sermos capazes de fazer os tempos de volta que fazemos, e o hidrogênio está muito na mesa”, disse ele.

Carros têm pouca ‘culpa’

Apesar de todo esse esforço, a F1 estima que 0,7% das emissões do esporte provêm dos próprios carros de corrida, enquanto quase metade vem da caravana logística que transporta equipamentos e pessoal para as corridas, da qual há um recorde de 23 planejado para esta temporada.

Mas a Brawn descartou categoricamente a redução do número de corridas para cortar as emissões.

Ele diz que levar as corridas para países ao redor do mundo é parte do que torna o campeonato grande, mas ele reconhece que também há um imperativo financeiro.

“No final do dia, somos um negócio”, diz Brawn. “Temos que gerar renda para fazer tudo isso funcionar e, obviamente, quanto mais corridas tivermos, mais lucrativo será.”

E se o petróleo acabasse amanhã? Boris Feldman responde. Veja o vídeo:

O post Fórmula 1 pode usar hidrogênio como combustível no futuro apareceu primeiro em AutoPapo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Vamos conversar?