Não categorizado

Praga de percevejos malcheirosos atrasa importação de veículos

Como se não bastassem a pandemia causada pelo coronavírus e a crise global no fornecimento de semicondutores, a indústria automobilística agora enfrenta outro imprevisto: uma praga de percevejos malcheirosos. O problema ocorre na Austrália e tem causado atrasos de aproximadamente 30 dias na importação de veículos por lá.

VEJA TAMBÉM:

Para piorar, o abastecimento de veículos no país já estava comprometido devido aos citados problemas. O prazo de entrega de um carro novo na Austrália já podia chegar a 4 meses ou até mesmo a 6 meses, dependendo do modelo: devido aos percevejos, esse período deve ficar ainda maior. As informações são do site The Drive.

O inseto em questão é popularmente conhecido como percevejo marrom. Ele exala odor extremamente desagradável se for esmagado e existe em praticamente todo o planeta. O caso é que a Austrália tem leis de biossegurança bastante rígidas: vale lembrar que o país é totalmente insular e, por isso, tem um ecossistema único no planeta.

O percevejo marrom se esconde em pequenas frestas e pode permanecer adormecido por vários meses: isso permite que ele sobreviva a longas viagens marítimas. Quando chega a locais de temperaturas mais elevadas, os insetos voltam à atividade e passam a procurar alimentos e novos esconderijos. E, claro, começam a se reproduzir.

Percevejo pode causar catástrofe ambiental

O governo australiano teme que o percevejo marrom cause sérios problemas ambientais ao país, cujo setor agrícola responde por cerca de 14% das exportações. No ano passado, autoridades de biossegurança registraram  232 ocorrências sobre a presença do inseto em embarcações: consequentemente, os navios tem passado por procedimentos de dedetização, que provocam os atrasos.

O post Praga de percevejos malcheirosos atrasa importação de veículos apareceu primeiro em AutoPapo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Vamos conversar?